sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

A geração que não ouve conselhos - e é tola!

14:15:00 1 Comments

Se conselho fosse bom, não se dava, vendia.
Você já ouviu isso? Com certeza sim, talvez até mesmo tenha falado para alguém que veio te dizer o que fazer ou não fazer ou como agir diante de uma situação da sua vida. 

Refletindo sobre esse dito popular vejo o quanto ele reflete a imagem da sociedade em que vivemos hoje. Vivemos em um mundo de individualismo e autossuficiência. Nós não precisamos nos importar com a opinião dos outros mais. O que o outro pensa não interfere em nossa vida, pois vivemos para nós mesmos. 

Logo, por que se importar com a recomendação de alguém sobre como você deve viver? Não faz sentido. Não para a maioria das pessoas de hoje. Ouvir um conselho te faz até  parecer que tem uma personalidade fraca aos olhos dos outros. Afinal, você tem que resolver suas coisas sozinhas! Você é forte e não precisa de ninguém te falando o que fazer, não! 

Mas espera aí... Se você é cristão você já ouviu algo bem diferente, não é mesmo? Somos um corpo, o corpo de Cristo, filho do nosso Criador e nosso único Salvador. Olha que importância nós temos! Sim, nós. Eu, você e seu irmão que senta lá no último banco da igreja, assim como o pastor que está lá na frente todo culto. Todos nós temos importância uns para com os outros e, juntos, com para Deus. 

Assim, nós não estamos sozinhos. O que fazemos e como agimos afeta em nossa vida e na vida daqueles irmãos que estão ao nosso redor recebendo a nossa influência. E mais: influencia as pessoas que te tomam como um parâmetro para avaliar a Igreja. Mesmo que você nem perceba. 

Nós, além de termos tanta importância assim, também somos dependentes uns dos outros e acima de tudo do nosso Senhor (1 Coríntios 12.12-26). Então, não somos nada autossuficientes quanto nos ensinaram. Precisamos uns dos outros, precisamos viver em conjunto, como corpo, e precisamos viver em harmonia.
O que isso tem a ver com conselho?’, você pode estar se perguntando. 

Pois bem, o sábio Salomão disse o seguinte em Provérbios 12 versículo 15: ‘O tolo pensa que sempre está certo, mas o sábio aceita conselho’.  

Como podermos ser sábios se não ouvimos conselhos de pessoas que são mais sábias que nós? Como podemos ouvir conselhos – e aceita-los quando certos – se estamos tão arrogantes e tolos, cegos pela nossa independência, achando que somos suficientes e não precisamos de ninguém para nos ajudar? Impossível, né? Esses são os valores que aprendemos hoje. 

O livro de Provérbios inteiro é somente de conselhos. São recomendações dados por Salomão, inspiradas por Deus – afinal, é um livro da Bíblia, a Palavra de Deus – para o povo do Senhor. Nosso Deus quer que sejamos sábios, que sejamos como Cristo, que saibamos agir, falar, calar, ouvir, tomar decisões prudentes e tantas outras coisas que necessitam de uma boa dose de sabedoria em nossa vida para nos orientar. Como podemos ser assim se não ouvimos mais aqueles que nos amam e que querem nos ajudar apenas porque somos orgulhosos demais para dar o braço a torcer? 

Claro que nem todo conselho se ouve. Muito pelo contrário, devemos ter muito cuidado com o que absorvemos. Muito cuidado com aquilo que praticamos motivados pelas influências de amigos, familiares e até mesmo lideres que dizem cuidar espiritualmente de nós. 

Mas isso não anula o fato de que o bom e sábio conselho deve ser ouvido. Mais ainda: ele deve ser buscado. Não precisamos passar por situações difíceis sozinhos. Ouvir um conselho de um irmão em Cristo que se importa com você e o ama não é ser sem personalidade, não é que ele também esteja querendo ‘se meter’ em sua vida, te dominar, ditar o que você deve ou não fazer. Sabe o que significa? Que ele te ama com o amor de Jesus. Pois quem nós amamos, nós queremos ver o bem, queremos cuidar, proteger. 

Logo, o conselho vindo do sábio – e somente do sábio – é uma declaração de amor. Como você pode ver seu irmão no erro, sofrendo, sendo oprimido, cruzar os braços e fechar a boca sem lhe oferecer um conselho, uma recomendação, uma palavra que pode fazer toda a diferença em sua vida e na situação em que ele se encontra? E como pode você simplesmente não ouvir aquele que só quer te ajudar – e no fundo, você sabe que está certo? 

Qual conselho ouvir?

É óbvio que você não deve ouvir a qualquer pessoa que chega a ti e fala para você fazer algo. Muito menos deve pedir conselhos a quem não confia e que você sabe que nem vive sobre a orientação da Palavra de Deus.

Saber qual conselho ouvir é tão importante quanto abrir seu coração para poder ser disciplinado e discipulado

O primeiro ponto é avaliar quem está te dando conselho. Por que você acha que essa pessoa quer te ajudar? Existem pessoas que nos dão conselhos apenas porque o nosso maleficio será bom para elas. Mas, há aquelas que nos ajudam por amor e por quer querem nos ajudar de coração. Há também aquelas pessoas que são ótimas falando, mas nunca seguem nada do que falam, os famosos "faça o que eu digo, mas não faça o que faço", e isso também é muito complicado, pois demonstra que essa pessoa pode até ter conhecimento do certo e errado em seu discurso, mas ela não tem a sabedoria que põe em prática o que tanto abr a boca para dizer. Busque uma pessoa que reflete a Cristo, não somente com palavras, mas com ações.  

Partindo daí, é importante entender que o conselho mais importante, e o único que devemos ouvir, é aquele que concorda com a Palavra do Senhor. Nunca escute uma recomendação de alguém que está indo contra a bíblia. Ela é a luz que guia os nossos passos e nos ajuda a chegar até Cristo. Tudo que foge a ela não é de Deus! E é sempre importante avaliar o conselho que lhe foi dado com o que a Palavra de Deus diz. Pode ser que ela não tenha exatamente o problema que você está passando, mas a Bíblia tem princípios que devem reger todas as nossas ações e tais princípios se aplicam para as mais diversas situações. 

Ouvir um conselho de uma pessoa que teme a Deus e vive conforme os padrões estipulados por Ele é abrir seu coração para uma vida de sabedoria e bons passos. Abandone seu individualismo e autossuficiência. A arrogância que o torna tolo! 

Para não ficar com um texto todo escrito por mim, segue alguns versículos que falam da importância dos conselhos e de como não somos sozinhos, mas um corpo que deve refletir a imagem daquele que nos uniu! 

Ouça conselhos e aceite instruções, e acabará sendo sábio. Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece é o propósito do Senhor.  Provérbios 19:20-21
Os planos fracassam por falta de conselho, mas são bem-sucedidos quando há muitos conselheiros.  Provérbios 15:22
O orgulho só gera discussões, mas a sabedoria está com os que tomam conselho.  Provérbios 13:10
O temor do Senhor é o princípio do conhecimento, mas os insensatos desprezam a sabedoria e a disciplina.  Provérbios 1:7
Quem confia em si mesmo é insensato, mas quem anda segundo a sabedoria não corre perigo.  Provérbios 28:26 



sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Plano B, de Pete Wilson: Quando nada sai como o planejado por você

06:00:00 0 Comments

Autor: Pete Wilson
Editora: Thomas Nelson Brasil
Páginas: 367
Ano: 2009
Nota: 5/5  (Ótimo - Preferido


Todo mundo vai passar por algum momento de Plano B na vida, pode ser uma perda muito grande de algo que você tinha e amava ter, pode ser um sonho não realizado que lhe dê grande frustração, pode ser uma doença, pode ser a morte de alguém muito importante ou pode ser simplesmente a inércia quando você tinha certeza que sua vida deveria estar andando para algum lado. E é disso que Pete Wilson fala em Plano B, a resposta de Deus quando tudo parece dar errado. Pete aborda a questão de quando tudo o que vemos é um plano A, e de repente aquele plano A já não é mais uma opção. Como reagir?

Fiquei com medo desse livro ser muito antropocêntrico, com a visão totalmente focada em um autoajuda motivacional e que o autor acabasse se esquecendo de falar mais de Cristo do que das pessoas.  Não poderia estar mais enganada e logo nas primeiras páginas fui provada do contrário. O autor mostra justamente a exaltação de Deus, e como tudo - TUDO - em nossa vida acontece pelo controle Dele, por mais ruim e inexplicável que seja. E como devemos engrandecê-lo por isso, mesmo que aquilo seja um momento de sofrimento, mesmo que a gente não faça a menor ideia de porque estamos passando por aquilo. Ter a ciência de que Deus faz o melhor por nós, e que o melhor por nós não é aquilo que mais queremos, mas sim aquilo que mais nos torna parecidos com o nosso Salvador Jesus Cristo.

Tenho a impressão de que cada  vez mais cristãos que conheço abandonaram a fé porque simplesmente não conseguiam ver a obra transformadora que Deus estava fazendo em meio às suas tragédias. O sofrimento, a confusão e as dúvidas acabaram destruindo a oportunidade de crescimento que existia. (Página 302)

O livro é dividido em 13 capítulos com temas muito bem definidos e organizados. Em cada capítulo o autor faz um paralelo entre um caso de algum conhecido dele que passou por um grande Plano B com um personagem da Bíblia. Ele, no entanto, não nos mostra somente as dificuldades, mas também não nos dá a grande solução. Ele nos faz enxergar a esperança: Cristo.  O meu capitulo preferido foi o "Eu Também", onde ele aborda a importância de uma comunidade cristã verdadeira, autêntica, para ajudarmos uns aos outros nos momentos de dificuldade e como é importante ouvirmos um "eu também já passei por isso, e deu tudo certo".       


Pete usa muito da Bíblia e dos exemplos que lá temos - como o de Davi, o de Moisés, Josué, Noemi e outros -  para poder nos mostrar como devemos lidar com os planos B de nossas vidas, com aqueles momentos em que temos certeza que temos tudo sobre o controle e então algo terrível acontece e nada mais está em nossas mãos. A Bíblia, realmente, é uma fonte rica de exemplos que servem justamente para nos dá a esperança, afinal quando alguém passou por algo semelhante ou vivem uma angustia, dor tão intensa quanto a nossa, mais temos forças para conseguir vencer nosso momento dificil.

Esses sentimentos de falta de esperança e impotência geralmente dizem muito mais sobre nós do que sobre Deus. (Página 257)

O livro tem uma leitura fluida, com o capítulos divididos em tópicos e excelentes recortes. Isso é uma coisa importante, pois o autor simplesmente não abre discussões e as deixam em aberto, ele conclui seus raciocínios de maneira sábia e sucinta. Além disso, o fato de haver muitas histórias, dos mais diversos tipos de plano B, nos traz um conforto ao coração. Ver como as pessoas puderam confiar em Cristo e na suficiência Dele é reconfortante. E nos enche de coragem para fazermos o mesmo.

Talvez Deus quisesse que você aprendesse alguma coisa por meio desse processo seletivo. Talvez você tenha achado que entendeu errado a vontade de Deus porque seu foco está no resultado final em vez de no processo.

Esse livro me ensinou muitas coisas e teve um grande valor para mim, mesmo que eu o tenha lido em um momento comum na minha vida, onde não estava passando por grandes dificuldades. E uma das mais valiosas lições que aprendi é que Deus se importa muito mais com o caminho que estamos percorrendo do que com o objetivo que queremos atingir. É o caminho que nos muda, que nos molda, nos transforma. Ele se importa muito mais com a pessoa que você está se tornando do que com aquilo que você quer conquistar.

Recomendo muito o livro! Não somente para quem está passando por um plano B, mas para quem já passou e quem sabe que um dia vai passar, afinal "tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo" João 16:3. 

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Cristo não é suficiente para você?

05:43:00 1 Comments
Falamos muito nas igrejas sobre como Cristo é suficiente. Mas será que entendemos mesmo o que de fato isso significa? E quando falo aqui em significado não me detenho à questão teórica, ao significado das palavras. Digo, em contrapartida, sobre viver isso, viver com a ciência de que Cristo é suficiente em nossas vidas, com a essência de que, aconteça o que acontecer, Ele é. E nós precisamos dEle, unicamente dEle. 

Por muito tempo eu vivi com tolerância e auto engano acerca da minha incredulidade sobre a suficiência de Cristo. Por muito tempo, eu acreditei que via Jesus como único e suficiente  em minha vida. Mas minha hipocrisia estava oculta por várias camadas de afirmações, de enganos próprios, de medos e inseguranças. Percebi isso quando tive que abrir mão de algo que eu julgava ser essencial para minha felicidade. Antes de abrir mão, eu percebi o quanto estava sofrendo por uma coisa que é passageira - somente Deus é eterno, somente! - e me perguntei, em um ato de coragem dada pela misericórdia do bom Deus, me confrontei: onde está meu coração, afinal?

E ele não estava onde deveria, onde eu insistia em dizer para mim mesma que estava e acreditava fielmente em minha própria mentira. Porque, embora eu afirmasse que acredita que Cristo era suficiente, eu acreditava que se fosse tirado de mim aquilo que eu tanto via como preciosidade, eu realmente achava que viveria infeliz.

As pessoas - e nisso incluo a mim mesma - dizem que Cristo é suficiente, mas não se imaginam vivendo sem que sua lista de desejos sejam satisfeitos, sem seus objetivos sendo alcançados e os seus sonhos, realizados. Você acredita que Cristo é suficiente? Você consegue se imaginar solteira para sempre, mas vivendo com a certeza de sua salvação? Você consegue se ver sem o emprego dos seus sonhos, mas tendo a certeza que o Senhor está ao seu lado? Você consegue imaginar uma vida em que nenhum dos seus desejos materiais sejam satisfeitos, mas a sua alma esteja constantemente alimentada e renovada pelo Espírito Santo? 

É fácil, de fato, dizermos 'sim' a todas essas afirmativas. É fácil abrir nossa boca, inflar o peito e falar 'com certeza, sim'. Reserve dois minutos para pensar em sua vida, em como você imagina seu futuro, no que você sonha conquistar, ter e ser. E então pense em como seria se tudo isso fosse diferente, se tudo isso fosse mudado ao avesso. Pense se você estaria feliz se, em vez de viajar todo o mundo, conhecer países diferentes, você vivesse para sempre em um mesmo lugar. Pense se estaria feliz se, em vez de ter uma casa com filhos, marido e toda a beleza que há em uma família, você nunca se casasse, nunca provasse de todas as alegrias que há em um matrimônio e vivesse em celibato para sempre? 

Pode dizer não a si mesma, pode confessar isso. Pode confessar sua fraqueza, pois é isso que venho tentado fazer ao longo dos últimos meses, e é isso que estou tentando fazer ao escrever essas palavras que oro para que toquem o seu coração tanto quanto toca no meu. Se a ideia dessas possibilidades de traz dor, angustia e uma pontada de tristeza, não se preocupe. O apóstolo Paulo, em 2 Coríntios 12, falava de seu espinho na carne, não sabemos ao certo o que era, poderia ser uma forte tentação, uma doença... Poderia ser qualquer coisa que o incomodasse profundamente. Ele disse que pediu ao Senhor três vezes que lhe tirasse esse espinho na carne e o Senhor lhe respondeu:

Mas ele me disse: "Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza". Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim. Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.

Deus disse a ele que a Sua graça é suficiente! Não importa o que ele estivesse passando, não importa o que ele iria passar, nada do que aconteça é suficiente para lhe tirar a paz, para lhe tirar a fé, para lhe tirar nada, enquanto ele estiver na confiança que que o próprio Deus é suficiente em sua vida. Pois, ele e nós, toda a humanidade, somos fracos. E por sabermos que somos fracos, podemos ser aperfeiçoados por Deus. Quando percebermos a nossa fraqueza, quando enxergamos a nossa necessidade de Cristo, nos tornaremos fortes - mesmo sendo fracos. Pois, Ele é suficiente para as nossas vidas - e agora, então, sabemos disso com mais certeza. 

Sendo assim, Cristo é suficiente. Mesmo que você tenha medo de não ter o que quer ou que seja tirado de você o que tanto considera importante, saiba que Cristo é o único que é suficiente em nossas vidas. O motivo?
  • Ele é a nossa salvação (Tito2.14)
  • Ele é a verdadeira paz (João 14.27)
  • Ele é o verdadeiro amor (1João 3.16)
  • Ele nos fortalece (Filipenses 4.13)
  • Ele nos faz nascer de novo (João 3.1-18)
  • Ele nos perdoa de todos os pecados (Marcos 2.1-12)
  • Ele sara os sofrimentos ( Marcos 5.21-34)
  • Ele tem o poder sobre a morte (Marcos 5.35-43)
  • Ele é o caminho, a verdade e a vida (João 14.6)

Somente Cristo preenche esses requisitos verdadeiramente, logo não há ninguém, não há qualquer tipo de relacionamento, não há nenhum bem material e não há qualquer conquista pessoal que preencha as nossas vidas e nossas almas como o Senhor o faz. Ele é suficiente, e não há motivo para ter medo de confiar - de olhos fechados e braços abertos - nisso, pois Ele cuida dos seus, Ele nos ama, nos protege, nos salva. E nós só provaremos disso em sua verdadeira essência quando abrirmos mão da ilusão de nossa própria autossuficiência ou, pior ainda, da suficiência de qualquer outra coisa/pessoa que não seja o próprio Deus.

Soli Deo Gloria!